Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
Esporte

Ele foi o melhor em um Mundial com Xavi e Ronaldinho. Hoje é empresário no mercado fitness

Espanhol Sergio Santamaria caiu de para-quedas na Copa do Mundo Sub-17 de 1997. Foi o "Bola de Ouro". Não vingou no profissional, mas não se sente frustrado com rumo da carreira

Publicada em 06/11/19 às 14:07h - 7 visualizações

por Reprodução/La Liga TV Entre idas e vindas, Santa


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Radio Picos FM)

Você certamente sabe quem são Xavi Hernández e Ronaldinho Gaúcho. Mas já ouviu falar de Sergio Santamaría? Pois em 1997, essa relação fazia sentido. Os três estiveram no Mundial Sub-17 daquele ano. O espanhol campeão do mundo em 2010 e o ídolo brasileiro sequer apareceram no pódio dos melhores da competição. Sergio? Foi o Bola de Ouro.

A trajetória do ex-atacante espanhol, que hoje tem 39 anos, é o que todos os jovens jogadores querem evitar. Mas termina como realidade da maioria. Destaque na seleção de base, Santamaría, que nasceu em Málaga e é das canteras do Barcelona, jogou muito pouco na equipe profissional do time catalão. Rodou de um empréstimo para outro e encerrou a carreira em times pequenos da Espanha. Mas evita falar em frustração.

“O esforço que fiz foi sempre muito grande, fiz grandes sacrifícios, e a frustração, ao final, pode chegar quando você não tenta tudo. Eu tentei tudo”, confessa Santamaría, em entrevista ao GloboEsporte.com.

00:00/03:11

Veja os gols do espanhol Sergio Santamaría, Bola de Ouro do Mundial Sub-17 em 1997

A sorte que faltou em sua vida profissional esteve ao seu lado na caminhada rumo ao Mundial Sub-17. Sergio só foi para a competição para substituir o lateral-direito titular, cortado pouco antes do início do torneio. Até mesmo por isso, atuou com a camisa 2, embora fosse atacante.

Foi titular nos seis jogos da Espanha na competição. Marcou dois gols e ajudou a Fúria a conquistar a terceira posição, depois de perder para Gana na semifinal e bater a Alemanha na decisão do terceiro lugar. O Brasil terminou como campeão, ao vencer os africanos na decisão. Sergio se surpreendeu com o prêmio recebido no fim. Mas o guarda como uma de suas maiores conquistas no futebol.

– Um dia antes da cerimônia dos prêmios, me disseram que era quase certo que eu seria o melhor jogador. Mas não acreditei muito, porque sabia que tinha ido bem, mas havia outros ótimos jogadores. No final, ganhei o prêmio e a felicidade foi enorme.

“Eu não iria ao Mundial, na verdade nunca havia estado na seleção espanhola, terminei como o melhor jogador. Foi muito impactante”, relembra o atacante.

Sergio Santamaria abraça Xavi após marcar um gol no Mundial Sub-17 em 1997: ele foi o melhor da competição naquele ano, Xavi seria campeão do mundo em 2010 — Foto: Reprodução/Fifa TV Sergio Santamaria abraça Xavi após marcar um gol no Mundial Sub-17 em 1997: ele foi o melhor da competição naquele ano, Xavi seria campeão do mundo em 2010 — Foto: Reprodução/Fifa TV

Sergio Santamaria abraça Xavi após marcar um gol no Mundial Sub-17 em 1997: ele foi o melhor da competição naquele ano, Xavi seria campeão do mundo em 2010 — Foto: Reprodução/Fifa TV

A Bola de Prata, dada para o segundo melhor jogador do torneio, ficou com o ex-atacante brasileiro Fábio Pinto, que teve uma história no futebol parecida com a do espanhol. Mas com uma diferença. Ex-Inter e Grêmio, Fábio não chegou à seleção principal e, em 2015, chegou a ser preso acusado de participar de uma quadrilha que praticava crimes financeiros.

Por que não deu certo?

A pergunta acima é a que persegue muitos jovens que brilharam na base e se frustraram no futebol profissional. E a resposta de Sergio Santamaría também é comum a muitos deles: escolhas erradas. O espanhol só estreou na equipe principal do Barcelona em 2000, sob o comando do holandês Louis van Gaal.

Depois, recebeu o recado do treinador que não seria utilizado. Ele preferiu procurar outro clube. Mas hoje acha que deveria ter permanecido no Barça e aguardado por mais chances com outro treinador.

– Naquele momento, só tinha a opção de ir embora. Não teria oportunidade de ter minutos no time principal do Barça e acreditei que o melhor era ir embora. Mas hoje digo que foi um erro. Em um ano, no Barcelona sempre há um ou outra oportunidade. Decidir ir e tive a má sorte de que nesse outro clube, o treinador tampouco contava comigo. Tinha outro estilo de jogo. Então, de não jogar no Barcelona, um dos maiores clubes do mundo, passei a não jogar em outro clube. Baixei de nível. Foi uma má decisão – avalia Sergio.

Sergio Santamaria em seu único jogo como titular do Barcelona em quatro temporadas: 45 minutos contra o Villarreal, em 2003 — Foto: Reprodução/La Liga TV Sergio Santamaria em seu único jogo como titular do Barcelona em quatro temporadas: 45 minutos contra o Villarreal, em 2003 — Foto: Reprodução/La Liga TV

Sergio Santamaria em seu único jogo como titular do Barcelona em quatro temporadas: 45 minutos contra o Villarreal, em 2003 — Foto: Reprodução/La Liga TV

Entre idas e vindas, Santamaría esteve no Barcelona de 1999 a 2004. Foram apenas sete jogos pela equipe principal, e uma só vez como titular: no dia 22 de novembro de 2003, na derrota por 2 a 1 para o Villarreal, pela Liga Espanhola daquela temporada. O atacante foi substituído por Frank Rijkaard ainda no intervalo.

Sergio rodou por Real Oviedo, Elche, Alavés, Albacete, Sant Andreu, times da Terceirona. No UD Logroñés, conviveu com atrasos salariais. Terminou a carreira em um pequeno clube de Málaga, sua cidade: o Alhaurín de la Torre, que disputava a Quarta Divisão espanhola, na temporada 2010/11.

Naquele ano, viu a Espanha, com Xavi e Casillas, seus ex-companheiros da seleção sub-17, ser campeã do mundo. Mas nunca encarou o sucesso dos outros com o sentimento de frustração por não ter tido o mesmo êxito.

– Não sou uma pessoa que queira a vida de outras pessoas. Cada um tem o seu caminho, cada um encontra seus obstáculos na vida. Se foi assim, é porque tinha que ter sido assim. Eu dei o meu máximo que tive. O futebol me deu muito, desfrutei muito – reforça o ex-atacante.

Feliz como empresário no mercado fitness

Depois que deixou os gramados, Sergio Santamaría não se envolveu mais com o futebol. Chegou a trabalhar com escolinhas de Málaga, mas nada profissionalmente. Agora é empresário do mercado fitness. Desenvolve negócios relacionados ao estilo de vida saudável, com bebidas sem açúcar. Dá palestras, divide sua experiência, e publica frases motivadoras no seu Instagram. Se diz realizado.

– Ao final, triunfar em uma coisa ou outra, os valores são sempre os mesmos. É ser constante, aprender, intenso, é ser o melhor. Aprender de pessoas que são melhores que você. Desfruto muito do esporte, mas não ganho dinheiro com isso.

O espanhol, que pode dizer que um dia foi melhor que Ronaldinho Gaúcho, não vê sua experiência como uma lição para os jovens que estão começando no futebol. Ele prefere dar um incentivo.

“O que posso dizer é que você está na porta de um mundo profissional, um mundo bonito, mas que é um mundo duro. O futebol te dá um prêmio muito grande, mas tem um preço alto. Mas vale a pena”, resume Santamaría.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (89)999288450 Chagas Vieira

Visitas: 505710
Usuários Online: 14
Copyright (c) 2019 - Radio Picos FM - Foi Muito Bom ter Vocês Conosco Volte Sempre: Equipe/ Rádio Picos FM